top of page

O Passo Inicial das Tramas

Algumas sinopses são tão detalhadas que parecem livros; outras descrevem apenas o necessário. Umas são seguidas à risca; outras nem tanto. Certo é que elas são o pontapé inicial de toda novela. É nelas, por exemplo, que os autores traçam os perfis dos personagens, criam a história de cada núcleo e fazem o detalhamento dos cenários

— A sinopse é um resumo da história. Em obra aberta, geralmente ela é detalhada no início e fica mais vaga no fim — explica Gilberto Braga. — É importante a lista de cenários. Através dela a produção faz um orçamento aproximado.

O autor, que está escrevendo uma sinopse para as 21h, conta como é seu estilo:

— As minhas costumam ter de 50 a cem páginas. Cassiano Gabus Mendes fazia sinopses curtíssimas. E já li uma ou duas do Manoel Carlos que pareciam um bom romance.

Ricardo Linhares, que escreve com Gilberto, já teve sinopses de vários tamanhos.

— A de “A indomada”, minha e do Aguinaldo Silva, tinha 45 páginas. “Porto dos milagres” tinha 80 e “Agora é que são elas”, 90 — lembra.

Nem sempre (ou quase nunca!) é possível seguir à risca o que está na sinopse.

— A partir do que seria o capítulo 30, eu mudo, sim. Só segui à risca a sinopse uma vez, em “Anos rebeldes”, porque era minissérie — diz Gilberto.

Ana Maria Moretzsohn também nem sempre é fiel ao que escreveu no início.

— “Esplendor” deveria ter 70 capítulos e dobrou de tamanho. Não botei na sinopse a carta que eu tinha na manga, uma personagem que saía do coma — diz ela. — Sinopse é também um produto de venda, tem que ser feita para convencer de que ali há material para uma novela.

Linhares é outro que constantemente faz mudança:

— Em “Agora é que são elas”, não estava previsto que Léo (Débora Falabella) seria filha de Antônia (Vera Fischer) e Juca (Miguel Falabella) . Inventei essa história quando a novela já estava no ar.

O tempo para se escrever também depende de cada autor. Uns são rapidíssimos, outros burilam mais o texto.

— Eu escrevi em um mês a de “Rainha da sucata”. Levei seis meses na de “A próxima vítima”. E quase um ano para “Belíssima” — conta Silvio de Abreu.

Ana Maria costuma ser mais concisa e rápida.

— Tento explicar bem a trama central, sem me estender nas paralelas. Com descrição de personagens e cenários, elas têm umas 30 páginas — diz. — Levo cerca de dois meses para escrever. O que não significa que não possa ser feito em 15 dias se necessário.

E será que as emissoras pedem que os autores mexam nas sinopses antes de aprová-las? Silvio, Linhares e Ana Maria dizem que nunca passaram por isso. Mas há divergências…

— Claro! Sempre há pontos nos quais a emissora pede mudanças — afirma Gilberto.

Elizabeth Jhin concorda:

— Já reescrevi parte de uma sinopse para torná-la mais leve, já que era para as 18h. A verdade é que ficou muito melhor e foi aprovada. — Isso é comum, sinopse é escrita várias vezes, é discutida — explica Walcyr Carrasco, autor da campeã de audiência “Alma gêmea”.
106 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Roteiro 1- O Início

De um modo geral, nós roteiristas ou dramaturgos ao depararmos com um papel em branco (ou uma tela de computador), quando vamos nos lançar ao desafio de escrever uma peça teatral ou um roteiro cinemat

Comentários


bottom of page