top of page

Pesquisa sobre Núcleos Criativos – Divida com a ABRA a sua experiência

Caros roteiristas, A ABRA está propondo uma pesquisa a ser respondida por profissionais que estejam trabalhando ou tenham trabalhado no seio dos Núcleos Criativos (cf. Prodav03 do FSA), para compreender melhor a situação da categoria em questões como organização do trabalho e remuneração.

O link para a pesquisa é:

Cabe ressaltar que:

1) Trata-se de uma pesquisa anônima, cujos campos de identificação (própria ou dos operadores do NC) são opcionais e não precisam ser preenchidos.

E 2) os resultados da pesquisa podem nos respaldar nas reivindicações de garantia por uma melhor remuneração e reconhecimento do trabalhos dos roteiristas.

Aguardo retorno de vcs e agradeço em nome da ABRA.

A seguir, o depoimento/recurso de Marcílio Moraes sobre sobre o seu projeto de implantação de um Núcleo Criativo na edição de 2016/1.


por Marcílio Moraes

Amigos roteiristas,

Estive em viagem nas últimas semanas e não acompanhei a discussão sobre os núcleos criativos. Eu concorri com minha empresa e mais uma vez fui desclassificado. Como já não tenho muita paciência, mandei para eles a resposta abaixo, a título de “recurso”, que foi indeferido, claro. Talvez interesse a alguém, vejam aí:

“Prezados Senhores, Esta é a terceira vez que participo, através da minha empresa, e como líder criativo, da Chamada PúblicaBRDE/FSA Prodav 03. Mais uma vez minha proposta não atingiu pontuação suficiente. Não vou discutir os termos e as apreciações contidas nos pareceres que embasaram as notas. Devem se fundar em critérios que alguém com poder para tal estabeleceu. O que me interessa neste recurso – vou manter a terminologia – é levantar questões de fundo. Na minha expectativa, e acho que na da maior parte dos meus colegas, este era um programa que se destinava fundamentalmente a apoiar, de forma diferenciada, os autores-roteiristas e não produtores, diretores e outras categorias profissionais do audiovisual. Quando digo “apoiar os autores-roteiristas” não me refiro a premiá-los com algumas oportunidades de faturarem honorários mais justos. Este resultado deveria ser obtido com maior fiscalização, por parte da Ancine, sobre a administração dos projetos que patrocina. Apoiar autores-roteiristas – partindo do reconhecimento de que são eles os responsáveis pela base sobre a qual se constrói a obra audiovisual – é apostar nos sonhos e na competência de profissionais quase sempre submetidos a grandes empresas produtoras, ou mesmo pequenas, sem poderem alçar os voos independentes de que são capazes. Apoiar autores-roteiristas de forma inovadora e diferenciada é dar a eles possibilidade de desenvolverem suas próprias ideias, sem terem de se enquadrar aos critérios, bons ou maus, de organizações que têm lá seus objetivos e seus interesses. O autor-roteirista é um escritor que precisa ter meios para construir o acervo dramatúrgico, a matéria prima indispensável para o estabelecimento de uma indústria audiovisual sólida e vitoriosa. O Brasil tem uma excelente literatura, mas não precisamente uma literatura com insumos dramatúrgicos suficientes para alicerçar os diversos gêneros do audiovisual, como têm os Estados Unidos, cuja literatura policial, por exemplo, é um manancial inesgotável de temas, personagens e tramas para filmes e séries. Aqui no Brasil, esta base tem que ser elaborada, e não vai sê-lo por “produtores, produtores executivos, diretores, coordenadores de equipes criativas” (enumeração apresentada pelos pareceristas na avaliação da qualificação técnica do líder). Só os escritores podem dar conta da tarefa. Nós, autores-roteiristas, a partir de conversas que tivemos com o Presidente da  Ancine, imaginávamos que a iniciativa resultante daqueles entendimentos, que se materializaram na Chamada Pública BRDE/FSA Prodav 03 teria esta visão. Infelizmente, não tem. Cito o meu caso, não como reclamação, mas como exemplo. Sou roteirista há 32 anos. Sempre fui excelentemente pago, o que deve indicar, pelo menos, que sou um profissional sério e eficiente. Capitaneie vários projetos de dezenas de milhões de reais, comandei várias equipes de profissionais, obtive sucessos e fracassos, ganhei prêmios e até uma certa notoriedade. No entanto, os pareceristas da Ancine me atribuíram nota 4, como líder, ou seja, me consideraram apenas 80% adequado à tarefa. No que respeita à equipe, os analistas foram igualmente lacônicos, nota 4, 80% da capacidade máxima. A análise dos projetos, a mim que estou nesta batalha há décadas, parece estranha e gratuita: “não define de forma clara público alvo nem estratégias de comunicabilidade”, “fornece um desfecho vago”, “foram apresentadas apenas 3 sinopses com uma narrativa inconclusa”, e outras observações vazias. Ora, se o programa é para desenvolvimento e oferece um prazo de 18 meses, o que importa de início é apenas o potencial da ideia, que, ao longo do trabalho, poderá tomar os caminhos mais inesperados de início. Esta é a graça, este é o aspecto criativo da empreitada. A minha empresa, com a qual concorri, ao longo desses 32 anos praticamente só produziu roteiros, inúmeros, com os quais auferiu faturamentos significativos. Ou seja, é uma empresa especializada em roteiros, com tradição e solidez. Mas para os analistas da Ancine só vale 3, quer dizer, é 60% eficiente. Nestes 32 anos, tive que me adequar aos critérios e perspectivas das grandes empresas em que trabalhei, mesmo nos projetos – novelas, séries, de criação exclusiva minha. Nem poderia ser de forma diferente, claro. Como muitos colegas da televisão e do cinema, tive a ilusão de que o programa em questão me possibilitaria desenvolver projetos apenas com meus critérios e com as minhas perspectivas. Pena que, até agora, não foi possível. Marcilio Moraes”

 

Os artigos publicados pelos associados da ABRA são uma maneira de abrir espaço para a opinião do autor roteirista sobre diversas questões pertinentes à profissão. As opiniões expressas aqui são de responsabilidade do autor e podem não representar o posicionamento oficial da associação.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mulheres e gênero no 8M

O COMITÊ DE MULHERES & GÊNERO da ABRA em parceria com a Colabcine promove durante três semanas debates sobre a questão de gênero, narrativas femininas e inteligência artificial na criação audiovisual.

Associadas têm desconto no Rio2C 2023

Pelo segundo ano consecutivo temos 20% de desconto nas entradas Industry ou Creator. Para ter acesso ao seu desconto basta enviar um e-mail para secretaria@abra.art.br e pedir o seu código promocional

bottom of page